O que é o Rived?

RIVED é um programa da Secretaria de Educação a Distância - SEED, que tem por objetivo a produção de conteúdos pedagógicos digitais, na forma de objetos de aprendizagem. Tais conteúdos primam por estimular o raciocínio e o pensamento crítico dos estudantes, associando o potencial da informática às novas abordagens pedagógicas. A meta que se pretende atingir disponibilizando esses conteúdos digitais é melhorar a aprendizagem das disciplinas da educação básica e a formação cidadã do aluno.

1ª Atividade a Distância /8 horas

LEITURA DO TEXTO: O cursista ao ler o texto deve direcionar o olhar para o argumento de Spinelli e refletir sobre outras situações de aprendizagem vivenciadas, que tenham sido favorável ao aluno ascender e atingir o cume da pirâmide.

2ª Atividade a Distância/8 horas

LEITURA DO TEXTO: "Repensando a avaliação" de César Nunes, refletindo aspectos importantes de teorias e práticas educacionais como exemplo: um grupo da Faculdade de Educação Harvard, em que o objetivo maior do ensino oferecido por eles deve ser o "Ensino para Compreensão" (WISKE, 1998).
Para nós, educadores temos clareza dos objetivos de aprendizagem em nossas disciplinas? Será que refletimos sobre o comportamento do aluno que compreende totalmente, parcialmente, ou não compreende o que estamos vivenciando com ele?

3ª Atividade à Distância/8horas

LEITURA DO TEXTO: “Desenvolvimento de materiais multimídia e seu uso no contexto educacional” de César Nunes, versão para o curso “Como Usar Objetos de Aprendizagem”, fazendo reflexão sobre os contextos para desenvolvimento de multimídia, como: O contexto cognitivo e o contexto de ensino.
Navegação no site: http://rived.proinfo.mec.gov.br para escolha de um objeto na sua disciplina.
Elaboração de um plano de aula de acordo com o Objeto escolhido, orientando-se pelo Guia do Professor. Alternando sala de aula e laboratório para a exploração do objeto, atentando para a construção do conhecimento do aluno.
Enviar pelo e-mail do grupo.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

NTE KENNEDY - Turma:7, 8, 9 Liana Rosário Moura

1ª ATIVIDADE VIVENCIAL

LEITURA DO TEXTO:
O cursista ao ler o texto deve direcionar o olhar para o argumento de Spinelli e refletir sobre outras situações de aprendizagem vivenciadas, que tenham sido favorável ao aluno ascender e atingir o cume da pirâmide.


27 comentários:

Anônimo disse...

Mesmo com certas dificuldades, já desenvolvi e procuro, sempre que possível, desenvolver atividades do tipo situaçao problema. Vi que este tipo de atividade desperta a curiosidade dos alunos, já que seus saberes são levados em conta neste tipo de atividade, com isso os levam a pesquisar informações e dados, analisá-los e organizá-los em forma de relatório. O resultado da atividade é muito bom, porém, confesso que não chega a ser suficiente a levar o aluno a chegar ao topo da pirãmide(inteligência). Contudo, é um largo passo para atingir o topo. Talvez o sucesso da atividade esteja num pouco mais de planejamento e tempo, não que falta de recursos didáticos não interfiram, mas nem sempre podemos esperar, sem esperanças, por estes.



José Quirino Júnior
quimicajqj@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Um objeto virtual de aprendizagem é um recurso digital que auxilia na aprendizaggem de conceitos, mas principalmente, abre a porta para a construção do conhecimento e ampliação deste com consequente aplicação de forma interdisciplinar produzindo conceitos mais elaborados.
A aplicação desse recurso na sala de aula requer do professor elaboração de projetos bem como domínio do conteúdo(área de atuação) que trabalha com o aluno.Sua postura enquanto educador é fundamental na concretização de uma pedagogia aberta a produçao e aplicação do conhecimento na resolução de problemas. É uma grande oportunidade que dispomos para fazer valer um ensino de qualidade que forme cidadãos conscientes e participativos dentro de uma sociedade cada vez mais competitiva e desumana.É um grande desafio a nós educadores de escolas públicas com uma carga horária de 25 horas em pleno exercício de sala de aula, sem tempo para estudar e planejar e sem conhecimento de informática. Vamos lá!

jacirafvo@hotmail.com

Anônimo disse...

A expériência que tenho com relação ao texto é uma turma do 3º ano do ensino médio, ao qual trabalhei com a turma Matemática Financeira e apliquei os métodos das informações que eles possuiam sobre o assunto, os dados coletados em comércios locais da cidade, aplicando as infromações colhidas pela turma, tais como: Porcentagem na comprs, desconto, juros simples e composto e regra de três. Eles assimilarem muito bem as informações chegando ao conhecimento e a prática vivenciada poe eles, depois foi feito uma apresentação dos grupos usando todas as regras da matemática financeira.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Confesso que a única ferramenta que ainda utilizo em sala de aula no ensino de Física é o quadro negro, tendo em vista não dispor de outros recursos como o uso de retroprojetores e computadores para aplicação de multimídia. No entanto, sempre trabalho os conteúdos da disciplina voltados para o cotiano do aluno,levando em consideração as concepções espontâneas do mesmo. Infelizmente, percebe-se que pouquíssimos alcançam o conhecimento.

Márcio Rogério B. da Silveira
bmarcio35@ibest.com.br

Anônimo disse...

Há muitos alunos com um grande número de informações obtidas através dos objetos tecnológicos de aprendizagem, sendo que na maioria das vezes não sabem lidar com a situação. É necessário que o professor através dessas informações possam explorá-las como processos de aprendizagens. No patamar da pirâmide informacional, estão os dados que deverão ser discutidos para se chegar a inteligência, capacidades dos seres humanos. Trabalhar projetos em sala de aula é muito gratificante, o aluno sente-se a vontade para pesquisa e apresentar o resultado de sua pesquisa. É gratificante para eles interagir com outros grupos e até outras disciplinas, usando a interdisciplinaridade como processo de aprendizagem. Um projeto interdisciplinar de investigação, onde professor e alunos assistam a necessidade de explicar, compreender, mudar, prever algo,e assim atrair a atenção de um olhar a mais ou talvez mais que isso.
Os recursos tecnológico são de grande importância, mas é necessário saber lidar com esses recursos. Fazer uma pesquisa na internet é uma forma de subsídio de aprendizagem, mas é preciso ver as vantagens e desvantagens. O professor tem que está atento para que o aluno possa não só fazer a pesquisa, colocar uma capa e entregar. É necessário que essa pesquisa possa ser lida, discutida e que o aluno tenha sua opinião pessoal a respeito do tema pesquisado, principalmente quando se trata de temas polêmicos que dizem respeito ao desenvolvimento e aproveitamento da utilização de objetos tecnológicos.
Saber usar instrumentos de tecnologia como produção de conhecimento e aprendizagem, desenvolver a capacidade criativa do educando.
Para concluir esse comentário, acrescento que sempre que encaminho algum tipo de trabalho para os alunos, usando recursos tecnológicos, peço uma opinião pessoal do seu entendimento a respeito do tema pesquisado. O resultado é muito proveitoso.

Adriano B. Souza disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Natal, 21 de julho de 2008

Instituto Padre Miguelinho
Professor de Física – Nelson Cosme de Almeida Turma: 09
Curso – “Capacitação docente na utilização de SOFTWARE como material de apoio pedagógico”
Instituto Kennedy
Professora – Liana Rosário Moura

Século XXI, era da tecnologia e da informação; é nesse novo mundo que a maioria dos jovens vive e que a educação escolar não consegue acompanhar. Novas tecnologias no campo da robótica, novos jogos eletrônicos, computadores, enfim, horas e horas do dia dedicadas à realidade virtual, bem diferente da realidade escolar. Inseridos nesse universo os adolescentes parecem cada vez mais se afastarem dos livros e não olhar com tanta aceitação à aula de quadro, giz, ou pincel atômico, e professor. Então o que devemos fazer para tornar as aulas mais atrativas, educativas e inspiradoras para essa nova geração, sem perder de vista o seu papel principal que é educar, informar e formar cidadãos críticos e conscientes da realidade da qual estão inseridos? Como usar esses recursos tecnológicos destinados a educação em nosso favor? A resposta, por incrível que pareça, está em nós, bravos professores, guerreiros, educadores, cuja função jamais será substituída por qualquer inovação tecnológica, pois o professor é fundamental na formação do estudante quanto ser humano, algo que máquina alguma será capaz de fazer.
Mas para que os softwares educacionais alcancem seu objetivo final, educar, é preciso que nós educadores voltemos no tempo e olhemos cuidadosamente a nossa formação; façamos então um auto-avaliação, que seja crítica e construtiva ao mesmo tempo, pois de nada adiantará conhecer todas essas inovações no âmbito educacional, sabermos manipular tais recursos e pecarmos nos conceitos e definições lapidados pelo conhecimento científico, em outras palavras, além de conhecer qualquer ferramenta que nos ajude na hora de educar será necessários uma ótima formação sobre aquele saber científico que estamos lecionando.
Estes softwares educacionais com simulações e variados recursos visuais em muito pode nos ajudar, mas não esqueçamos que são ferramentas, portanto, não findam, tampouco estatizam o conhecimento científico, pois esse que tem caráter dinâmico e revolucionário. É preciso estudar, pesquisar, planejar e assim fazer uso e bom proveito de qualquer auxílio.
Na Escola que eu trabalho – Instituto Padre Miguelinho – obtive ótimos resultados usando tais recursos (softwares de física); lembro-me perfeitamente de alunos entusiasmado quando viram na tela do computador, um programa que simulava a agitação molecular das substâncias com a variação de temperatura, com esse programa pudemos trabalhar muitas leis e conceitos fundamentais à Termodinâmica, tais como: temperatura, calor e teoria cinética dos gases. O mesmo aconteceu com outro software que simulava a dilatação e a contração de metais com o aumento e a diminuição de temperatura, respectivamente. E tudo o que foi escrito até agora se estende com a mesma veracidade a todos os outros que foram utilizados no laboratório de informática da instituição supracitada.

Anônimo disse...

Visão Crítica a cerca do texto: Objetivos Virtuais de Aprendizagem.

Vivemos uma época de transformações aceleradas, ditadas pela expansão irreversível da informática, da microeletrônica e da automação. O avanço tecnológico promove transformações, influindo no comportamento social, alterando hábitos, maneiras de pensar, sentir e agir, ou seja, auxiliando de forma direta no conhecimento do indivíduo.
A informática tornou-se ferramenta imprescindível para todas as sociedades e com elas vieram os objetos virtuais presente na tecnologia.
Os objetos virtuais deverão se construir como suporte para aperfeiçoar e transformar o processo educacional. Uma das chaves a reestruturar a educação; uma educação que por meio desses objetos virtuais visem a aprendizagem significativa dos alunos. Aprendizagem eficiente, indutiva e tranformadora, na qual o uso da tecnologia por meio dos objetos virtuais podem ser um dos alicerces para se alcançar esse objetivo.
Muitos alunos que tem acesso, ao utilizarem o computador não vêem uma ferramenta de busca de conhecimentos e sim apenas um meio de diversão. Sobre essa utilidade não pode deixar de dar ênfase as limitações na busca de uma nova forma de inserir a aprendizagem por meios da comunicação presente nos objetos virtuais.
Podemos ver através de um objeto virtual um mecanismo de aprendizagem na medida em que o aluno amplia sua imaginação e criatividade, torna-se então um campo de busca que favorece a prática da capacidade quanto aos meios de engajamento de conceitos interativos. Atualmente se desenvolvem projetos de pesquisas na elaboração de objetos virtuais de aprendizagem, para viabilizar o conceito de conhecimento que os alunos constroem. As pessoas são direcionadas por grupos que estão interagindo na orientação como também na produção de simulações reais e planas das diversas disciplinas como parte do currículo que se trabalha nas escolas.
O desenvolvimento da aprendizagem vem sempre presente nos objetos virtuais, o que é preciso ampliar é a orientação de professores e alunos frente a sua utilização, que sejam estimulados na busca desse novo meio de aprendizagem. Por meio de um objeto virtual o aluno percorre etapas que são fundamentais para a aprendizagem, mas, é necessário saber projetar para se obter melhor o sucesso dos conceitos envolvidos.
Em sala de aula os alunos estão sempre falando da importância de navegar na internet, sem levar como ponto de partida a aprendizagem de elementos que compõem o currículo. O professor deverá inserir os alunos no novo contexto cultural tecnológico, trazendo para o cotidiano escolar. Para isso deverá desenvolver nos alunos habilidades, de forma a capacitá-los a utilizar e projetar os objetos virtuais, com reflexão nas atividades criativas do dia-a-dia.
É fundamental proporcionar condições para que os estudantes se integrem aos novos processos de aprendizagem e produção das possibilidades para que adquiram uma nova concepção de mundo, novos valores e novas formas de atuação social.


humberto-faria@hotmail.com

Anônimo disse...

Para estimular o aprendizado dos meus alunos eu sempre procuro transformar as informações do cotidiano em ações de aprendizagem.
Comparando o que eles vivem no dia-a-dia com os conteudos discutido na sala de aula.
EX: O que eles plantam? Para que serve? Como utilizamos nossa rotina em aprendizagem? Machado confirma isso no texto.
Josineide Menezes
neidemenezes2008@hotmail.com

Anônimo disse...

Maria Aparecida Alves de Freitas
Escola Estadual João Alves de Melo
Bom Jeus-RN
Com base na leitura do texto podemos constatar que o ideal muitas vezes não bate com o real.As teorias são bonitas, e aliás devem existir sem elas não existiria o critério científico das coisas. Porém é preciso adaptá-las a cada situação de aprendizagem. A partir da leitura do texto vimos que o papel do educador é fundamental quando transmite ao aluno um sentido construtivo e desafiador em sua metodologia; fazendo-o entender que ele é dotado de capacidades e que as mesmas precisam ser desenvolvidas através das experiências pproporcionadas durante a aprendizagem.Sendo assim, a partir do estudo do texto apresentado, verifica-se a importância da pirâmide como processo norteador para a ação pedagógica visando um ensino de qualidade e bem encaminhado.

Anônimo disse...

Natal, 21 de julho de 2008

Instituto Padre Miguelinho
Professor de Física – Nelson Cosme de Almeida Turma: 09
Curso – “Capacitação docente na utilização de SOFTWARE como material de apoio pedagógico”
Instituto Kennedy
Professora – Liana Rosário Moura

Século XXI, era da tecnologia e da informação; é nesse novo mundo que a maioria dos jovens vive e que a educação escolar não consegue acompanhar. Novas tecnologias no campo da robótica, novos jogos eletrônicos, computadores, enfim, horas e horas do dia dedicadas à realidade virtual, bem diferente da realidade escolar. Inseridos nesse universo os adolescentes parecem cada vez mais se afastarem dos livros e não olharem com tanta aceitação às aulas realizadas a quadro e giz – ou pincel atômico – . Então o que devemos fazer para tornar as aulas mais atrativas, educativas e inspiradoras para essa nova geração, sem perder de vista o seu papel principal que é educar, informar e formar cidadãos críticos e conscientes da realidade da qual estão inseridos? Como usar esses recursos tecnológicos destinados a educação em nosso favor? A resposta, por incrível que pareça, está em nós, bravos professores, guerreiros, educadores, cuja função jamais será substituída por qualquer inovação tecnológica, pois o professor é fundamental na formação do estudante quanto ser humano, algo que máquina alguma será capaz de fazer.
Mas para que os softwares educacionais alcancem seu objetivo final, educar, é preciso que nós educadores voltemos no tempo e olhemos cuidadosamente a nossa formação; façamos então uma auto-avaliação, que seja crítica e construtiva ao mesmo tempo, pois de nada adiantará conhecer todas essas inovações no âmbito educacional, sabermos manipular tais recursos e pecarmos nos conceitos e definições lapidados pelo conhecimento científico, em outras palavras, além de conhecer qualquer ferramenta que nos ajude na hora de educar será necessário uma ótima formação sobre aquele saber científico que estamos lecionando.
Estes softwares com simulações e variados recursos visuais em muito pode nos ajudar, mas não esqueçamos que são ferramentas, portanto, não findam, tampouco estatizam o conhecimento científico, pois esse tem caráter dinâmico e revolucionário. É preciso estudar, pesquisar, planejar e assim fazer uso e bom proveito de qualquer auxílio.
Na Escola que eu trabalho – Instituto Padre Miguelinho – obtive ótimos resultados usando tais recursos (softwares de física); lembro-me perfeitamente de alunos entusiasmados quando viram na tela do computador, um programa que simulava a agitação molecular das substâncias com a variação de temperatura, com esse programa pudemos trabalhar conceitos fundamentais ao entendimento Termodinâmica, tais como: temperatura, calor e teoria cinética dos gases. O mesmo aconteceu com outro software que simulava a dilatação e a contração de metais com o aumento e a diminuição de temperatura, respectivamente. E tudo o que foi escrito até agora se estende com a mesma veracidade a todos os outros que foram utilizados no laboratório de informática da instituição supracitada.

nelsonalmeidafisica@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Escola stadual João Alves de Melo
Linduarte Andrade de Lima
Bom Jesus-RN
Com base na leitura do texto podemos verificar que é indisensável a utilzação de todos os elementos que formam esta pirâmide em nossa prática pedagógica.Cotidianamente busco aplicar na diciplina a qual leciono: Biologia unir teoria e prática,dessa forma levando nossos alunos a uma maior compreensão dos conteúdos abordados a partir do cooncreto. É lamentável que muitos vezes não temos condições de trabalho para realizar atividades que as vezes necessitam de um certo dispêndio de gastos. O governo precisa nos dar melhores condições de trabalho para que assim nos sintamos mais valorizados e dispostos a realizar um trabalho de maior qualidade

Anônimo disse...

Os objetivos virtuais de aprendizagem: ação, criação e conhecimento.

No dia a dia da sala de aula, nos deparamos sempre com o quadro que Machado(2002) utiliza a imagem da Pirâmide Informal para apresentar, Dados (Qualitativos, Quantitativos), os nossos alunos têm acesso irrestritos a jornais, televisão, internet, celulares e etc. Transformar esses Dados em Informações já é conseguido por uma pequena maioria, de Informações para Conhecimento por poucos alunos, que não atingir a Inteligência.
Na minha escola, temos laboratório de informática ligado a rede mundial de computadores, que por falta de alguns equipamentos, confesso, não é usado na sala de aula e sim como fonte de pesquisa pelos alunos. Como professor uso o quadro, giz e livro didático, este último como suporte para planejar as aulas. É na correção dos trabalhos, muitas vezes pesquisados na internet, que nos deparamos coma Pirâmide Informal, transformar Dados em Conhecimento é capacidade de poucos que não chegar a Inteligência.
Esse quadro pode ser amenizado ou mesmo melhorado em muito, com a internet na sala de aula não só como fonte de pesquisa, mas também de planejamento, onde podemos orientar melhor os nossos jovens no uso dessa ferramenta tão rica em Dado, que precisa ser transformado em Conhecimento e posteriormente em Inteligência.

Betânio Ribeiro de Faria
betaniofaria@hotmail.com

Anônimo disse...

Ceará Mirim, 22 de julho de 2008.

Comentário:

Segundo o texto: OS OBJETIVOS VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: AÇÃO, CRIAÇÃO E CONHECIMENTO. "Para que o aluno consiga atingir o topo da pirâmide são necessário atividades educacionais e pedagógicas que estimulem os mesmos a leitura e interpretações de dados, sendo capazes de analisá-los, organizá-los e criticá-los". Diante disto, acredito que para alcançar essa meta o professor deve estimular o aluno a desenvolver o pensamento científico através de atividades experimentais, trabalhar com textos polêmicos instigantes provocando discussão, buscando levar informações sobre os últimos avanços tecnológicos, onde o estudante possa conhecer melhor a vida e os aconteciemntos dos fatos, compreendendo assim o trabalho e as dificuldades que os cientistas passaram para construírem o conhecimento que temos hoje da ciência, inserindu-os nesse contexto, meostrando que eles podem fazer parte dessa construção.Estudar ciência é aprender a perguntar "porque?". Na disciplina de Química sempre procuro trabalhar com aulas práticas, creio que é uma das atividades que conduz o aluno ao topo da pirâmide.

sueli.manoel@hotmail.com

Anônimo disse...

O profesor necessariamente precisa de um apoio pedagógico concreto, uma vez que a teoria é aplicada em sala de aula, fazendo assim com que o aluno vivencie o que aprendeu em um primeiro momento. Precisamos também levar em conta os alunos que ainda não têm vivência com a tecnologia, porém, outros já trazem um bom contexto. Cabe ao professor encamia-los. Ao adquirirmos os dados precisamos progetá-los, para podermos chegar ao topo da pirâmide. Porém passaremos por um leque de desafios uma vez que estamos em busca do novo. Tenho desenvolvido projetos em sala de aula(Dengue,Sexo,Lixo...)onde sinto o interesse por parte dos alunos,pois os mesmos pesquisam e organizam a melhor forma de apresentação,usando meios didáticos e tecnológicos.O aproveitamento é satisfatório.Para que isso ocorra levo-os a um primeiro momento de esclarecimento ,pesquisa e discursão.Dai os próprios discentes montam suas estratégias usando assim, suas criatividades na apresentação dos trabalhos.O importante é que o próprio aluno pesquisa,organiza e principalmente leva as informações aos colegas de sala ou mesmo a comunidade.Porém temos que ser realistas,apesar dessa progeção, chegar ao topo da pirâmide é um pouco difícil,pois temos uma sala de aula heterogênia,onde pensam e agem diferente.Um professor sem projetos é um barco a deriva!

Andréa Karla
AKFernandes@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Comentário Sobre uma vivência em sala de aula.
Tema escolhido para o comentário:Reino Vegetal.
Em uma aula sobre o reino vegetal, realizada em uma turma com adolescentes residentes na zona rural do nosso município. Tendo comentado o tema da aula seguinte, em uma aula anterior, os alunos coletaram exemplares de várias espécies e informações populares sobre cada um deles como:serve para fazer chá,queima a pele ao ser tocada, possiu espinhos, flores, frutos, muda as folhas em certa época do ano, etc...
Utilizamos os exemplares em nossa aula, tratando de conceitos científicos, identificação de grupos, tipos de flores,folhas, coule, raiz, etc...
Na aula seguinte, realizamos a avaliação "oral"na qual,a maioria dos alunos da turma formulou conceitos e explicações próprias sobre o assunto.
Nossa aula foi um sucesso.
Utilizando a pirâmide de Machado, como comparação:passamos pelo patamar inferior, na recepção do dados populares e cientificos pelo patamar das informações a organizar conceitos e significados,pelo patamar do conheccimento ao compreender e associar o conhecimento popular ao cientifico e chegamos praticamente ao patamar da inteligência ao formular conceitos próprios a partir do entendimento no assunto.
Coclusão:os nossos alunos chegam à sala de aula munidos de uma gama de informações(virtuais ou não). as vezes desconexas.Necessitando apenas a organização dessas informações para o desenvolvimento das habilidades e da inteligência.
Professora:Maria de Fátima Macedo Câmara.
E-mail:mfatimacedo@hotmail.com

Anônimo disse...

A leitura do texto “Os Objetos Virtuais da Aprendizagem” faz-nos referência sobre a importância do uso do recurso digital como uma estratégia que possibilita o desenvolvimento da capacidade de criação por parte dos estudantes.
Essa situação de aprendizagem estimula o aluno a ampliar a compreensão do significado de determinado conceito, relacionando-o a outro.
Entendemos que o advento da tecnologia da informação, favorece a ampliação da construção do conhecimento do aluno de forma mais consistente e rápida.
Consideramos que a situação virtual de aprendizagem, associada a outras, como: pesquisa em livros especializados, projetos e tarefas propostas que tenha como objetivo estimular o desenvolvimento de ações voltadas para a construção de saberes fundamentais que irão influenciar na participação do aluno na sociedade.

Francisco Olinto Sobrinho- Professor de Matemática

Anônimo disse...

O texto relata a importância dos recursos tecnológicos na aprendizagem do aluno, até mesmo porque, os jovens vivem no seu tempo livre, no mundo virtual, ou seja, na rede mundial de computadores, a INTERNET. Isso faz com que o profissional em educação esteja sempre buscando se qualificar, para tirar eventuais dúvidas desses jovens, que vivem recebendo uma gama de informações, e, cabe ao professor, simplificar as informações que esses jovens recebem.

Segundo Spinelli, com o avanço tecnológico, as escolas não podem fechar os olhos para tal realidade, e sugere que inclua esses objetos virtuais e que coloque a disposição dos alunos, para que, os mesmos, de forma lúdica, desenvolvam a criatividade, o raciocínio, a interdisciplinaridade, etc. Já que, os objetos virtuais, mesmo que separado por disciplina, constitui conceitos de outras disciplinas. Por exemplo: Vejamos que o objeto virtual seja da disciplina de física, onde vamos compreender a geração de energia a partir de uma usina nuclear, onde nessa aula estão conceitos de física, química, biologia, história, geografia, então isso faz com que o aluno, tenha uma compreensão ampla. Nessa aula ficou implícito a interdisciplinaridade. Agora, esse entendimento só será possível, se o profissional em educação se preparar, ou seja, fazer o seu planejamento.

Ilden Rocha

Anônimo disse...

O texto a ser escrito tem como caráter avaliar o curso acima citado tendo como aporte teórico, a brochura exposta pela professora Liana Rosa Moura. Diante dessa perspectiva vou discorrer como trabalho no meu núcleo de ensino a Escola Estadual Nestor Lima tendo como ênfase as variantes: Dados, informações, conhecimento e inteligência.
Dentro dessa temática valorizamos a importância do conhecimento extra-escolar tidos como dados qualitativos e quantitativos o que para outros leitura de mundo ou prévia e partindo desse pressuposto, através de projetos de natureza interdisciplinar procuramos tornar essas informações, no que diz respeito a significação e organização em conhecimento a quem associamos compreensão e teorias, com isso desenvolvendo inteligências conduzidas como abordadas por meio de projetos e valores que de fato revele um aprendizado na sua amplitude.
Entretanto, a escola é livre para inovar, como também criar meios e converter talentos em sucesso e ainda somos conscientes de que a educação não faz milagre, mas sem educação nem milagre resolve.

Aluno: José Jairan Valdevino
josejairan@hotmail.com

Anônimo disse...

Atualmente a capacidade intelectual do ser humano está classificada em vários tipos de inteligências: A da comunicação, Raciocínio lógico, noção de espaço, situar-se no meio ambiente, coordenação motora, autoconhecimento, compreensão, relacionar-se utilizando o consciente emocional (Q.E), distinção e interpretação de sons e a utilização dos objetos virtuais de aprendizagem. Argumentando o pensamento de Walter Spinelli, o estímulo, o entusiasmo, entre outros,são muito importantes. Tudo é um conjunto de fatores, que devem está integrado. Porém o estimulo é o principal fator para chegar ao ápice da pirâmide.É essencial essa ferramenta psicológica para vivenciar o novo. De acordo com a pirâmide, sua representação funcionaria desta forma:
Estímulo –Entusiasmo - Atenção – conhecimento – compreensão - habilidade e Ação.
Fontmar.

Anônimo disse...

Atualmente a capacidade intelectual do ser humano está classificada em vários tipos de inteligências: A da comunicação, Raciocínio lógico, noção de espaço, situar-se no meio ambiente, coordenação motora, autoconhecimento, compreensão, relacionar-se utilizando o consciente emocional (Q.E), distinção e interpretação de sons e a utilização dos objetos virtuais de aprendizagem. Argumentando o pensamento de Walter Spinelli, o estímulo,o entusiasmo em querer aprender, entre outros são essenciais em buscar o novo.Tudo é um conjunto de fatores, que devem está integrado. Porém, o estímulo é o principal fator para chegar ao ápice da pirâmide. De acordo com a pirâmide, sua representação funcionaria desta forma:
Estímulo – Atenção – compreensão -conhecimento – habilidade – Ação.

fontmar

Anônimo disse...

Natal, 03 de agosto de 2008
Instituto Padre Miguelinho
Professor de Física – Nelson Almeida Turma: 09 / 2ª Atividade
Curso – “Capacitação docente na utilização de SOFTWARE como material de apoio pedagógico”
Instituto Kennedy
Professora – Liana Rosário de Moura

Sem dúvida esse é um grande desafio, ensinar ao aluno a perceber o quanto é importante e presente em suas vidas muito do que falamos em sala de aula. O professor deve ser capaz de relacionar o dia-a-dia do aluno com o que está sendo explanado naquele momento, e quando falo isso, quero dizer, o educador deve fazer uma ligação entre aquilo que é objeto de estudo para a ciência e a presença deste no cotidiano do discente.
A título de exemplo, tomo a liberdade – sem maiores pretensões – de citar aqui algumas experiências compartilhadas com meus alunos. Crio títulos para as aulas, tais como: A Física na Cozinha; e na cozinha mostro as várias formas de propagação de calor, quais materiais são condutores ou isolantes, as mudanças de fase da substância água, etc. Na indústria automobilística temos diversos exemplos da importância de se fazer e estudar ciências, pois o uso e o funcionamento do cinto de segurança são fundamentados, respectivamente, nas duas primeiras leis de Newton. O airbag e os sistemas de freios ABS, também são ótimos exemplos de aplicações das Leis de Newton.
Quanto à utilização e produção de Energia Elétrica, os alunos travam verdadeiros “duelos”, cada qual expõe sua opinião na tentativa de buscar um meio que gere energia sem que para isso, desmatemos ou poluamos o meio ambiente. Em passos ainda lentos estamos trilhando o caminho do saber, este que é o da ciência e do universo que nos rodeia.

Anônimo disse...

Comentário sobre o texto - Os objetos virtuais de aprendizagem: ação, criação e conhecimento

Semana - 14 a 18/07/2008

Aluna: Cybelle Teixeira Marques

Atualmente, os jovens estão recebendo uma grande quantidade de informações. Estas chegam até eles através dos diversos meios de comunicação existentes, entretanto, eles possuem dificuldade em construir o conhecimento através das informações obtidas.
De acordo com Walter Spinelli quando partimos da leitura de dados, geramos informação; da informação, analisando-as, criticando-as e relacionando-as, construimos o conhecimento. Então, o principal papel do professor seria estimular a leitura e interpretação de dados pelos alunos, em seguida, convidá-los a analisá-los, organizá-los, relacioná-los, e criticá-los, mas tendo o cuidado de sempre estabelecer ligações entre os conteúdos e os processos das várias disciplinas, ou seja, valorizando a interdisciplinaridade já que é imprescindível interagir conteúdo e significados.
A rede mundial de computadores vem ganhando espaço entre os meios de comunicação. O seu uso para a obtenção de informações tem sido cada vez mais valorizado e por este motivo programas que a utilize para auxiliar na aprendizagem de algum conceito tem sido bastante aceito pelos docentes. Dessa forma, um objeto virtual de aprendizagem de algum conceito auxilia a estimular a imaginação e criatividade nos jovens e, consequentemente, na construção do conhecimento.

Anônimo disse...

VIMOS QUE É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA A APRENDIZAGEM PARA O SER HUMANO. COMO TRANSMISSOR DE CONHECIMENTO OU MEDIADOR, O PROFESSOR PASSA POR UM MOMENTO DE TRANSISSÃO QUE A ERA GLOBALIZADA PASSA A ASSUMIR ESSE PAPEL. NO ENTANTO, O ALUNO CHEGA Á ESCOLA AINDA DESNORTEADO COM TANTAS INFORMAÇÕES VINDAS DE TODOS OS LADOS. É NECESSÁRIO QU7E O PROFESSOR DEVA ARTICULAR ALGUMAS EXPERIÊNCIAS PARA QUE O ALUNO REFLITA SOBRE ESSE PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM. O MAIOR DESAFIO ESTÁ NA INCORPORAÇÃO DAS NOVAS TÉCNOLOGIAS E DA FORMA A SER CONDUZIDA ATÉ O EDUCANDO. ÉB NESCESSÁRIO TAMBÉM QUE HAJA UMA FISCALIZAçAO A RESPEITO DESSAS INFORMAÇÕES PRONTAS E ACABADAS PARA QUE NÃO SEJAM ASSIMILADAS DE FORMA DESASTROSAS.
Hélio Carolino Bezerra"
helio4carol@gmail.com

Anônimo disse...

Renato Nascimento de Freitas
A metodos tecnológicos é muito importante, mas é necessário aprender a usar esses recursos. Fazer uma pesquisa na internet é uma forma de subsídio de aprendizagem, mas é preciso ver as vantagens e desvantagens. O professor tem que está atento para que o aluno possa não só fazer a pesquisa, colocar uma capa e entregar.
Estes softwares educacionais com simulações e variados recursos visuais em muito pode nos ajudar, mas não esqueçamos que são apenas ferramentas. É preciso estudar, pesquisar, planejar para que o professor venha se valer destas tecnologias.