O que é o Rived?

RIVED é um programa da Secretaria de Educação a Distância - SEED, que tem por objetivo a produção de conteúdos pedagógicos digitais, na forma de objetos de aprendizagem. Tais conteúdos primam por estimular o raciocínio e o pensamento crítico dos estudantes, associando o potencial da informática às novas abordagens pedagógicas. A meta que se pretende atingir disponibilizando esses conteúdos digitais é melhorar a aprendizagem das disciplinas da educação básica e a formação cidadã do aluno.

1ª Atividade a Distância /8 horas

LEITURA DO TEXTO: O cursista ao ler o texto deve direcionar o olhar para o argumento de Spinelli e refletir sobre outras situações de aprendizagem vivenciadas, que tenham sido favorável ao aluno ascender e atingir o cume da pirâmide.

2ª Atividade a Distância/8 horas

LEITURA DO TEXTO: "Repensando a avaliação" de César Nunes, refletindo aspectos importantes de teorias e práticas educacionais como exemplo: um grupo da Faculdade de Educação Harvard, em que o objetivo maior do ensino oferecido por eles deve ser o "Ensino para Compreensão" (WISKE, 1998).
Para nós, educadores temos clareza dos objetivos de aprendizagem em nossas disciplinas? Será que refletimos sobre o comportamento do aluno que compreende totalmente, parcialmente, ou não compreende o que estamos vivenciando com ele?

3ª Atividade à Distância/8horas

LEITURA DO TEXTO: “Desenvolvimento de materiais multimídia e seu uso no contexto educacional” de César Nunes, versão para o curso “Como Usar Objetos de Aprendizagem”, fazendo reflexão sobre os contextos para desenvolvimento de multimídia, como: O contexto cognitivo e o contexto de ensino.
Navegação no site: http://rived.proinfo.mec.gov.br para escolha de um objeto na sua disciplina.
Elaboração de um plano de aula de acordo com o Objeto escolhido, orientando-se pelo Guia do Professor. Alternando sala de aula e laboratório para a exploração do objeto, atentando para a construção do conhecimento do aluno.
Enviar pelo e-mail do grupo.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

NTE KENNEDY - TURMA: 4,5,6 Maria de Fátima Trindade Noronha

2ª Atividade à Distância /8horas LEITURA DO TEXTO: "Repensando a avaliação" de César Nunes, refletindo aspectos importantes de teorias e práticas educacionais como exemplo: um grupo da Faculdade de Educação Harvard, em que o objetivo maior do ensino oferecido por eles deve ser o "Ensino para Compreensão" (WISKE, 1998). Para nós, educadores temos clareza dos objetivos de aprendizagem em nossas disciplinas? Será que refletimos sobre o comportamento do aluno que compreende totalmente, parcialmente, ou não compreende o que estamos vivenciando com ele?
ATIVIDADE COMPLEMENTAR: Acesse o LabVirt na área que desejar. O Laboratório Didático Virtual é uma iniciativa da Universidade de São Paulo - USP, atualmente coordenado pela Faculdade de Educação. Nele você vai encontrar simulações (Física - Química) feitas pela equipe do LabVirt a partir de roteiros de alunos de ensino médio das escolas da rede pública; links para simulações e sites interessantes encontrados na Internet; exemplos de projetos na seção "projetos educacionais" e respostas de especialistas para questões enviadas através do site: http://www.labvirt.fe.usp.br/

3 comentários:

Antonio Salviano de Oliveira Sobrinho disse...

Comentário sobre o texto “Repensando a avaliação”

Autor: César Nunes





O autor destaca que na década passada a criação de novos parâmetros e diretrizes curriculares, refletia a necessidade de repensar a educação e adequá-la a uma realidade. Nesse aspecto, importantes teorias e práticas foram ressaltadas. Destaca que as ciências cognitivas proporcionaram avanços notáveis em relação ao entendimento do processo de pensar e aprender.

Repensar a avaliação é repensar a educação.

Há falta de instrumentos condizentes a uma interpretação e avaliação de dados mais qualitativos, que permitam indicações sobre o desenvolvimento das habilidades e outros formatos de avaliação capaz de possibilitar mudanças.

Na avaliação da capacidade de resolver problemas, uma das formas é quebrar um ou mais problemas em tarefas envolvendo o conhecimento declarativo, procedural e, o estratégico, possibilitando a avaliação de diferentes habilidades e competências Entretanto, faz-se necessário uma ressalva; o fato da resolução por parte do aluno dessas pequenas tarefas não o notabilizar. A utilização dessa ferramenta, conhecida como “problemas dinâmicos” torna o cenário mais próximo da realidade propiciando vindas e idas em busca de alternativas, quando do enfrentamento de uma situação complicada. Outra tecnologia é o modelo “acertou\errou”, levando o aluno a buscar a sua “zona proximal de desenvolvimento” cujo modelo experimental é a “web restrita”.

Quanto a avaliação de posturas e de desenvolvimento da metacognição é possível o uso de software tipo situações-problema que permite ao aluno uma conscientização de seus processos de pensamento e avaliação do seu progresso, além de avaliar a postura dos alunos e professores, porém necessário se faz levar em consideração a aprendizagem anterior.

Em relação aos instrumentos de avaliação para a sala de aula, é comum fazermos referências a vários aspectos considerados importantes, mas quando prioriza-se a memorização de conteúdo, essas nuances ficam em segundo plano.Superar essas dificuldades é ter clareza dos objetivos de aprendizagem. Pensar numa avaliação condizente com os objetivos de aprendizagem que foram destacados é definir quais são as qualidades que demonstram que esses objetivos foram atingidos em sua totalidade ou de forma parcial.

Ao abordar o “ensino para a compreensão” podemos organizá-los em quatro dimensões a saber: do conhecimento; dos métodos; dos propósitos e das formas. Ao lidarmos com objetivos de aprendizagem gerais em termos de qualidades que demonstrem se os estudantes estão atingindo esses objetivos, percebemos que cada atividade desenvolverá um conjunto dessas qualidades e mais, cada aluno atingirá um nível diferente quanto a essas qualidades. Exemplos desses instrumentos são as rubricas instrucionais com quatro níveis. A capacidade de trabalhar colaborativamente é outra qualidade muita abordada, porém pouco avaliada.



Trabalho realizado pelo aluno Antonio Salviano de Oliveira Sobrinho

Turma: 4,5,6 (terça-feira)

Professora: Maria de Fátima Trindade Noronha

Curso de capacitação docente na utilização de software como material de apoio pedagógico



Natal, 01 de agosto de 2008.

5 de Agosto de 2008 21:50

turma Professora Fátima disse...

Comentário sobre o texto:Repensando a Avaliação:


Segundo César Nunes em década passadas a criação de novos parâmetros e diretrizes curriculares, refletia a necessidade de repensar a educação e adequá-la a uma realidade. A sobrevalorização de testes e exames tem impedido a disseminação das práticas educacionais que trabalhem valores, competências e habilidades.
Em relação aos instrumentos de avaliação para a sala de aula, é comum fazermos referências a vários aspectos considerados importantes, mas quando prioriza-se a memorização de conteúdo, essas ficam em segundo plano.Superar essas dificuldades é ter clareza dos objetivos de aprendizagem. Pensar numa avaliação condizente com os objetivos de aprendizagem que foram destacados é definir quais são as qualidades que demonstram que esses objetivos foram atingidos em sua
Quanto ao uso das tecnologias, essas favorecem a um melhor desenvolvimento da aprendizagem, fazendo com que aluno passe a tornar-se mais crítico em relação as situações problemas, e é necessário que o professor utilize esses recursos cotidianamente, e posteriormente com os resultados obtidos refletir sobre sua estratégia de ensino em sala de aula.

Em relação ao preparo dos professores, observamos que estes, não tem um preparo para ministrar sua disciplina em sala, muitas vezes por faltas de recursos para aprimorar suas aulas, daí enfatizo como é importante o uso das tecnologias como um instrumento valioso de aprendizagem.
Em suma o autor desperta para a questão de como avaliar-mos nossos alunos e de que forma iremos mudar a situação caótica de como se encontra a educação no nosso país, e um dos primeiros passos é repensar sobre a metodologia de avaliação, através do uso de instrumentos tecnológicos para obtenção de melhores resultados.

Ane Isabele de Souza disse...

Segundo César Nunes em década passadas a criação de novos parâmetros e diretrizes curriculares, refletia a necessidade de repensar a educação e adequá-la a uma realidade. A sobrevalorização de testes e exames tem impedido a disseminação das práticas educacionais que trabalhem valores, competências e habilidades.
Em relação aos instrumentos de avaliação para a sala de aula, é comum fazermos referências a vários aspectos considerados importantes, mas quando prioriza-se a memorização de conteúdo, essas ficam em segundo plano.Superar essas dificuldades é ter clareza dos objetivos de aprendizagem. Pensar numa avaliação condizente com os objetivos de aprendizagem que foram destacados é definir quais são as qualidades que demonstram que esses objetivos foram atingidos em sua
Quanto ao uso das tecnologias, essas favorecem a um melhor desenvolvimento da aprendizagem, fazendo com que aluno passe a tornar-se mais crítico em relação as situações problemas, e é necessário que o professor utilize esses recursos cotidianamente, e posteriormente com os resultados obtidos refletir sobre sua estratégia de ensino em sala de aula.

Em relação ao preparo dos professores, observamos que estes, não tem um preparo para ministrar sua disciplina em sala, muitas vezes por faltas de recursos para aprimorar suas aulas, daí enfatizo como é importante o uso das tecnologias como um instrumento valioso de aprendizagem.
Em suma o autor desperta para a questão de como avaliar-mos nossos alunos e de que forma iremos mudar a situação caótica de como se encontra a educação no nosso país, e um dos primeiros passos é repensar sobre a metodologia de avaliação, através do uso de instrumentos tecnológicos para obtenção de melhores resultados.